domingo, 16 de outubro de 2016

O ENGENHO BOM JARDIM DE GOIANINHA-RN

O ENGENHO BOM JARDIM E MÁRIO DE ANDRADE

    O Engenho Bom Jardim é um desses lugares onde parece que o tempo não passa. A origem do Engenho é do início do Século XVIII. A casa-grande se impõe na Fazenda Bom Jardim como o ponto central do passeio. É um prédio térreo do começo do século XIX, de paredes de taipa, ampla varanda, janelões, e pátio ajardinado. Uma típica construção do Brasil colonial, mantida praticamente a mesma até os dias de hoje.
    Mas a história a que vamos tratar é da visita do intelectual modernista MÁRIO DE ANDRADE, IMPORTANTE NOME DA LITERATURA BRASILEIRA.

  Mário de Andrade
    Em 1928, Mário de Andrade passou 10 dias no Engenho Bom Jardim, em uma visita que fazia ao Nordeste brasileiro. No encontro, Mário conheceu um funcionário do Engenho de nome Chico Antônio, natural de Pedro Velho-RN, conhecido por ser embolador, coqueiro e cantador. Mário ficou encantado com a obra de Chico Antônio. E o encontro rendeu bons frutos, o livro “Turista Aprendiz"


         Foto de Chico Antônio, tirada na época por Mário de Andrade.
    O Engenho Bom Jardim tem muitas outras histórias que se misturam com o patrimônio cultural que é o Engenho. Está aberto a visitação, onde é possível saborear um bom café da manhã, almoço ou lanche, sempre valorizando a cozinha regional.  A visita à fazenda inclui, além da “viagem no tempo”, atrações extras como passeio a cavalo e caminhada por duas trilhas entre a rica vegetação das redondezas. O visitante também pode conferir, a 4 km da casa-grande, o Engenho Mucambo, onde a família Araújo produz as cachaças Maria Boa e Mucambo. 

 
A Fazenda Bom Jardim situa-se a 55 km ao sul de Natal.  As Reservas podem ser feitas pelos telefones: (84) 3243-2214 ou (84) 9461-6614. Os Grupos devem ter o mínimo de oito pessoas. 


Mais informações:
http://wwwbaudegoianinha.blogspot.com/2013/09/o-engenho-bom-jardim-e-mario-de-andrade.html

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Sr. Jaldemar Nunes o Guardião da Historia de Pedro Venho.




 FOTO: www.clednews.com

JALDEMAR NUNES "JAJAU" FOI UM HOMEM QUE POR CONTA PRÓPRIA RESOLVEU  DEDICAR SUA VIDA A PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA DE PEDRO VELHO-RN. ELE  CUIDAVA DA LIMPEZA DAS RUÍNAS DA ANTIGA VILA DE CUITEZEIRAS,  ORIGEM  DA CIDADE. JAJAU RECEBIA OS VISITANTES E TINHA O PRAZER E A PACIÊNCIA EM MOSTRAR CADA PEDAÇO DO LOCAL COM UMA RIQUEZA DE INFORMAÇÕES HISTÓRICAS. GUARDAVA OBJETOS E MANTINHA UM MUSEU COM VÁRIOS DOCUMENTOS E PEÇAS DE ÉPOCA QUE FAZEM PARTE DO CENÁRIO CULTURAL E HISTÓRICO DE PEDRO VELHO-RN. 

SEGUNDO OS MORADORES DO MUNICÍPIO DE PEDRO VELHO O Sr.JAJAU É O GUARDIÃO DA NOSSA HISTORIA E ORGULHO DE NOSSA TERRA!

MAIS INFORMAÇÕES NO LINK ABAIXO!
 http://www.clednews.com/2012/03/homenagem-srjajau-pedro-velho-rn.html
  
"AO UM HOMEM COM TODA SUA SIMPLICIDADE TIRAVA DO POUCO QUE TINHA PARA FAZER O QUE MAIS GOSTAVA, PRESERVAR Á SUA MAIOR RIQUEZA A SUA HISTORIA E A DE SEUS MUNÍCIPES!"

ESSA  POSTAGEM  FOI  PUBLICADA PELO: Museu do Agreste Potiguar, EM  HOMENAGEM  Á "JAJAU" O GUARDIÃO DA HISTORIA AGRESTE!
 Engenho ilha do Maranhão Canguaretama/RN


FUNDADO  PELA  FAMÍLIA  MARANHÃO, O  ANTIGO  ENGENHO  ILHA  DO  MARANHÃO  FOI  TRANSFORMADO  EM  USINA  EM  1910, QUE  FOI  A PRIMEIRA  A  SE INSTALAR NO  RN. HOJE  EM  RUÍNAS  E  CONSIDERADA  POR  HISTORIADORES E FOTÓGRAFOS COMO UMA DAS MAIS BELAS RUÍNAS DO RN. EM CANGUARETAMA, NA  REGIÃO  DO  LITORAL SUL DO  ESTADO DO RIO  GRANDE  DO  NORTE  CONHEÇA  AS  RUÍNAS  DO  ENGENHO  ILHA  DO  MARANHÃO.

sábado, 18 de janeiro de 2014

Historia do Municipio de Baia Formosa, RN


 Foto:kalfotografias.blogspot.com.br

 A história de Baía Formosa começou com a construção de um porto de embarcações. Esse porto originou um núcleo de pescadores e estava localizada na única baía do Rio Grande do Norte. No século XVIII, o tal lugar serviu como sendo uma área de veraneio para a família Albuquerque Maranhão e fazendeiros de lugares próximos. Em 1877, ocorreu a chamada "matança de agosto", que se constituiu em um episódio onde o dono de uma área teria ido a um vilarejo, junto com um grupo armado, com a finalidade de tentar expulsar os moradores daquele lugar. Nesse contexto, surgiu a figura de Francisco Magalhães, que, juntamente com outros quatorze homens armados, conseguiram resistir aos agressores. O episódio foi comandado por João Albuquerque Maranhão, latifundiário e dono do Engenho Estrela, e se resumiu em uma horrível luta que resultou na morte de seis pessoas e na prisão e julgamento do comandante da chacina.  
    No final do século XIX, foi construída uma capela no local, tendo como padroeira a Imaculada ConceiçãoAlém disso, também foram criados e anexados ao município de Canguaretama os distritos de Baía Formosa e Vila Flor.
    O povoado do distrito começou a crescer, tendo como base econômica a a lavoura e a pesca. Em 1933, o distrito de Baía Formosa, que havia sido criado em 1892 e pertencia ao município de Canguaretama, foi extinto, juntamente com o distrito de Vila Flor, sendo que depois ambos os distritos foram recriados, mas em datas diferentes (o distrito de Vila Flor, que depois teve seu nome alterado para "Flor" e depois o nome voltou a se chamar "Vila Flor", foi recriado em 1938, enquanto o distrito de Baía Formosa foi recriado somente quinze anos depois). Finalmente, em 1958, o distrito de Baía Formosa foi desmembrado do município de Canguaretama, tornando-se novo município do estado do Rio Grande do Norte, por força da lei estadual n° 2338. O nome do município faz a referência à sua localização estratégica, no extremo leste potiguar e em uma bela enseada que forma a única baía do estado.
 

Baía Formosa é um município brasileiro no extremo leste do estado do Rio Grande do Norte. Pertencente à microrregião do Litoral Sul e à mesorregião do Leste Potiguar, localiza-se a sul da capital do estado, distando desta noventa quilômetros.[1] Ocupa uma área de 245,510 km², sendo que apenas 0,3682 km² estão em perímetro urbano, e a população do município foi estimada no ano de 2011 em habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o 77º mais populoso do estado.
 Com uma temperatura média anual de 27,5 ºC, na vegetação do município predomina a caatinga hiperxerófila. Quanto à frota de veículos, foram contabilizadas 887 unidades em 2010. Com uma taxa de urbanização de 83,14% (2010), o município contava, em 2009, com oito estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) é de 0,643 (2000), considerado como médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o 57° maior a nível estadual.

fonte: Wikipedia.org

Site e Blogs Colaboradores