terça-feira, 18 de outubro de 2011

O MASSACRE DE CUNHAÚ

Chacina em Cunhaú fez parte do terror
No cenário da luta de guerrilhas, luso-brasileiros e holandeses mal empregaram tropas regulares. As escaramuças e os enfrentamentos mais cruéis e arriscados, em meio aos tabuleiros e matas, se davam entre patrulhas de índios aliados e negros voluntários.
É nestas circunstâncias que surge a figura de Jacob Rabbi, alemão à serviço do governo holandês. Fluente na língua dos índios tapuias, amigo pessoal do chefe Janduí, casada com a índia Domingas, Rabbi chegou ao Brasil com Maurício de Nassau e foi nomeado como interprete. Na verdade, atuou como "oficial de ligação" entre os interesses da Companhia das Índias Ocidentais e o chefe Janduí, sem descuidar dos seus próprios objetivos: poder e riquezas. Com a necessidade de combater o levante, assumiu a chefia de grupos mistos de índios e aventureiros, bem no estilo dos paramilitares que se vê hoje nas guerras modernas, atacando arraias luso-brasileiros, saqueando engenhos, queimando lavouras e aterrorizando a população suspeita de apoiar os revoltosos de Vieira, Henrique Dias e Felipe Camarão.
Percorrendo a região canavieira entre Recife e Natal, Rabbi e um grupo de índios janduís e potiguares, além de soldados holandeses, chegaram ao engenho Cunhaú em 15 de julho de 1645. Se apresentou como emissário do Supremo Conselho Holandês de Recife e convocou a população para uma reunião, após a missa do dia seguinte, um domingo, na capela de Nossa Senhora das Candeias.
O domingo amanheceu chuvoso e nem todos os moradores compareceram à missa. Os historiadores estimam em 69 pessoas presentes no lugar. Durante a celebração, após a elevação da hóstia, os soldados holandeses tracaram todas as portas da igreja. A um sinal de Rabbi, os índios invadiram o local e chacinaram os colonos.
 

Relatos posteriores, alguns deles de emissários do governo holandês que investigaram o episódio, descrevem cenas de violência, atrocidades e certo requeinte de crueldade contra os fiéis. Desarmados, os colonos não tinham como resistir e se resignaram à morte. Atendendo a exortação do padre André de Soveral, que celebrava a missa, muito foram executados em meio as orações. O próprio padre foi morto a punhaladas. Antes de ser morto, ele ainda disse aos indígenas para não tocar nas pessoas ou nas imagens e objetos do altar, porque seriam cortadas as mãos e as partes do corpo de quem o fizessem. Com esta ameaça, os tapuias recuaram, mas os potiguares - menos supersticiosos e mais acostumados a religião dos portugueses - não se intimidaram e prosseguiram com o ataque.
Algumas pessoas se refugiaram na casa do engenho, mas tiveram um fim semelhante ao das que estavam na capela. Os flamengos e índios invadiram a casa. Houve certa resistência, três colonos conseguiram escapar pelo telhado, mas a superioridade numérica dos índios e dos holandeses acabou prevalecendo. Depois da chacina, o engenho foi saqueado.

Site e Blogs Colaboradores